Home / Notícias / Municípios / Campo Grande do Piauí / CAMPO GRANDE | NUCA realiza audiência com o tema “Lideranças de Meninas e Mulheres na Sociedade Contemporânea”; Veja fotos

CAMPO GRANDE | NUCA realiza audiência com o tema “Lideranças de Meninas e Mulheres na Sociedade Contemporânea”; Veja fotos

Na noite da última sexta-feira, 17, o Núcleo de Cidadania dos Adolescentes (NUCA) de Campo Grande do Piauí, com apoio da Prefeitura Municipal, realizou no Plenário da Câmara Municipal  uma Audiência Pública com o tema: “Lideranças de Meninas e Mulheres na Sociedade Contemporânea”.

A audiência é parte de uma das ações propostas pelo desafio temático do Selo Unicef: V – promover a educação para a cidadania democrática, e foi planejado tendo em  vista as dificuldades e avanços do protagonismo feminino no âmbito nacional.

Iniciado o  evento, a mesa de honra foi composta pelo Prefeito Municipal, João Batista de Oliveira (Baiá) ; o Secretario de Administração, Edson Oscar; a Mobilizadora de Jovens e Adolescentes, Maria Helena; a Supervisora das Escolas Municipais, Tássia Oliveira; o Pastor Didi; e os vereadores Martinho de Belchior e Janaína Ramos.

A mesa redonda foi composta por mulheres campo-grandenses destaques em suas respectivas áreas de atuação: a Secretária Municipal de Educação Anazilda Maria de Jesus Sobreira; a Supervisora de Ensino das Escolas Estaduais Josefa de Jesus Silva; a Secretária Municipal de Assistência Social Maria Vandeslene de Carvalho Oliveira; a representante dos Movimentos de Pequenos Agricultores Antônia Vieira dos Santos Sousa (Dona Toinha); a representante do Sindicato dos Trabalhadores Rurais Eva Cymara de Sousa e Sá; a Coordenadora da Atenção Básica, enfermeira Luciana Sales de Brito; a Secretária Municipal de Cultura, Vanessa da Silva Sousa; a  graduanda em Biologia pela UFPI e ex-participante do NUCA, Ismênia Maria de Sousa; a  graduanda em Medicina Marciela Marinalva da Silva; a presidente da Câmara Municipal de Vereadores, Jardânia Ramos Bezerra Sá; a professora Maria do Socorro Silva Leal; a professora Jeane da Silva Oliveira; e a senhora Maria de Fátima Filha

Após a composição da mesa de honra e da mesa redonda foram executados os hinos nacional e municipal.

Em seguida, a palavra foi facultada a mesa. Em seu pronunciamento, o prefeito Baiá disse que essa é uma luta antiga e que apesar das mulheres já terem uma participação ativa na política e no mercado de trabalho muitos avanços ainda  são necessários para o público feminino. “Quero aqui deixar minha mensagem para todas as mulheres da participação da mulher na sociedade, nós sabemos que isso é uma luta antiga da mulher, de buscar os seus direitos, mas é preciso que lutemos todos juntos para que a mulher tenha seu espaço reconhecido. Hoje, na sociedade, a mulher tem uma participação muito ativa na política, como também no mercado de trabalho, principalmente no trabalho onde exige mais confiança, a mulher está conseguindo o seu espaço e está chegando a seu objetivo, mas é preciso mais esforços e reconhecimento das autoridades competentes para que assim elas consigam seus objetivos que são direitos iguais a todos”.

Logo após, os adolescentes conduziram o debate da audiência, pontuando perguntas as integrantes da mesa redonda.

A Secretária Municipal de Educação, Anazilda de Jesus falou sobre a participação da mulher na sociedade e dos desafios em busca de um tratamento igualitário entre homens e mulheres.  “De acordo com a constituição homens e mulheres são iguais perante a lei, aqui no município nós mulheres ocupamos cargos de confiança e isso é uma vitória, mas se formos analisar mais a fundo nós mulheres ainda não ocupamos um espaço igual ao do homem, para começar, a gente vê a situação dos deputados, onde os homens ganham mais que as mulheres, até hoje, no acesso ao trabalho, o homem tem mais vez que a mulher. A mulher se estiver grávida ela é rejeitada, porque com 9 meses ela estará saindo para cuidar do seu filho… criou-se na antiguidade que a mulher é mais frágil que o homem e que o papel da mulher era só cuidar do ambiente familiar”.

“Hoje somos mulheres que cuidamos do ambiente familiar, porém, a gente está conseguindo sair para estudar, conseguir um espaço para o trabalho e agregar valores profissionais que muitos homens não conseguem. Eu sou uma gestora de um cargo elevado que muitas vezes é visto direcionado somente a mulheres, mas se formos buscar tem homens formados e capacitados que podem ocupar o mesmo espaço que estou. Da mesma forma, em grandes empresas, a mulher pode ocupar mais, mas ela ganha menos, e tem outro agravante que diferencia o homem da mulher, eles sofrem menos assédios sexuais e morais que a mulher. Geralmente a mulher para conseguir um trabalho em determinado ambiente ela precisa se subjugar ao assédio masculino”, concluiu Anazilda.

A Coordenadora da Atenção Básica, a enfermeira Luciana Sales de Brito explanou em sua fala a respeito sobre a garantia dos direitos sexuais e reprodutivos  da mulher. “Nós temos o direito de decidir de forma livre ou responsável se queremos ou não ter filhos, quantos filhos e em qual momento de nossas vidas… direito a informações, métodos e técnicas para ter ou não os filhos, direito de exercer a sexualidade e reprodução livre de discriminação, imposição e violência. Nós também temos direitos sexuais, o direito de viver, de expressar livremente a sexualidade sem violência, discriminações, imposições, e com respeito pleno ao nosso corpo, temos o direito de escolher o nosso parceiro que queremos ter a relação sexual, direito de viver plenamente a sexualidade sem vergonha, culpa ou falsas crenças, direito de escolher se queremos ou não ter relação sexual, direito de expressar livremente sua expressão sexual … Dentro desses direitos ainda existe um tabu, sobretudo, quando se fala em orientação sexual sobre a mulher, que está dentro da lei, mas que até hoje existe um enorme preconceito”.

A Supervisora de Ensino das Escolas Estaduais, Josefa de Jesus Silva (Zefinha de Belchior), disse que a luta das mulheres vem de longe no âmbito educacional, mas que até hoje muitos tabus precisam ser quebrados.  “Primeiramente, agradecer a Deus por essa oportunidade  de estarmos aqui discutindo um assunto de tanta importância. Eu poderia dizer que me sinto grata por essas conquistas, pois, historicamente, quando a mulher teve autorização para estudar foi em 1827 e ela só era autorizada a ter o estudo complementar… somente em 1879 foi que o governo autorizou as mulheres a fazerem cursos superiores, mas mesmo assim, as mulheres continuaram enfrentando muito criticadas, pois naquela estrutura cultural pregava que a mulher era responsável apenas para cuidar dos filhos… somente em 1887 foi que uma baiana, Rita Lobato Lopes Velho, conseguiu o seu certificado em medicina, ela foi a segunda mulher a conseguir o feito na américa latina”.

“Meu sentimento é de gratidão porque hoje a gente tem o privilégio de estar aqui nessa mesa redonda… fico muito muito feliz e emocionada de estar com todas vocês, mas estou ao lado de minha sobrinha que cursa Educação Física e ocupa a Secretaria de Cultura, ao lado de Ismênia, que hoje cursa Biologia, e com a minha sobrinha que está cursando Medicina… então, a luta de Rita Lobato, hoje, está tendo sequência, e o que eu posso dizer é que a luta continua e que nós mulheres ainda temos muito o que conquistar, já conquistamos o direito de estudar, ao voto, o direito a vida, com a Lei Maria da Penha, mas a luta continua”, concluiu Zefinha..

A graduanda em Biologia pela UFPI e ex-participante do NUCA, que integrou o Núcleo  por 10 anos, Ismênia Maria de Sousa, falou um pouco da experiência em estudar em um curso, onde, a predominância, até certo tempo, era de homens. “ Boa noite a todos, eu sou acadêmica do curso de Ciências Biológicas, me senti acolhida… como a gente percebeu através da fala de Zefinha, a luta foi grande para que as mulheres tivessem essa evolução, e fazer parte de mais de 60% das universidades públicas, só que ainda tem essa restrição nos cursos de exatas, mas a minha realidade eu não vejo isso no curso de biologia… já houve foi uma evolução muito grande e a luta permanece para que haja essa equidade do gênero masculino e feminino em todos os cursos”.

A senhora Maria de Fátima Filha, que construiu sua própria residência, falou dos avanços de oportunidades que as mulheres vem conseguindo. “Boa noite a todos, antigamente mulher não tinha oportunidade, era apenas cuidar de casa, mas hoje em dia já está bem evoluído, eu agradeço muito e dou parabéns a todas as mulheres que já tem mais oportunidades. Eu tinha a vontade de construir minha moradia com minhas próprias mãos, Deus me deu forças e coragem, então fui lá e venci e com a ajuda dele eu consegui, com minhas próprias mãos, motivo de muito orgulho, pois construí minha casa, meu rancho… sem depender de ninguém, só do meu esforço e da vontade de Deus, por isso me sinto muito orgulhosa e vencedora”.

Para a representante do Movimento de Pequenos Agricultores (MPA), Dona Toinha, os pequenos movimentos sociais também representam a luta nos direitos da igualdade da mulher.  “Atuo num trabalho muito difícil, a gente passa por muitos altos e baixos, muitas descriminações, mas é quando a gente não pode baixar a cabeça… eu já tenho 49 anos de movimentos sociais… Hoje sou a única mulher aqui do município a fazer parte da União das Mulheres do Estado do Piauí (UMP)… Já conquistamos muitas coisas, mais ainda tem muita discriminações a quebrar… quando eu comecei nos movimentos sócias eu fui muito discriminada, ainda hoje sou, mas eu não baixo a cabeça eu vou a luta. Os movimentos sócias é uma escola para nos defender, sobretudo, dos abusos contra as mulheres”.

A Secretaria de Cultura Vanessa Silva, falou sobre das ações socias que a secretaria trás para as mulheres do município. “Boa noite a todos, primeiramente, eu quero agradecer a Deus por estar aqui presente e aos jovens do Nuca pelo convite. Eu assumi a secretaria de cultura em julho de 2019, aos meus 22 anos de idade, e hoje, eu me sinto muito grata por isso, dei continuidade ao trabalho da ex-secretária de cultura, Zefinha de Belchior, e hoje, estamos dando continuidade as aulas de ballet e ginastica aeróbica que são ofertadas através da secretaria de cultura pela gestão municipal, essas atividades são muito importantes para a nossa vida social e são ofertadas para todas as meninas e mulheres do nosso município. No ballet contemplamos crianças de 3 a 12 anos, com vários benefícios, as atividade de ginásticas aeróbica são contempladas jovens e adultas a partir dos 12 anos”.

A Secretária Municipal de Assistência Social, Vandeslene Oliveira, falou da importância de exercer um cargo de tamanha responsabilidade na sociedade. “É muito importante pra mim exercer o cargo de secretária de assistência social, é uma conquista diária pra mim, onde me sinto realizada como mulher atuante na sociedade, e nós mulheres estamos aos poucos adquirindo espaço na sociedade e nas tomadas de decisões, saindo da posição passiva e aguçando nossos direitos. Qualquer atividade que nós propomos a fazer, temos a capacidade de realizar com a eficiência e zelo. Obrigado a todos”.

A professora Maria do Socorro Silva Leal, que também trabalha como tratorista, lembrou da sua trajetória na agricultura. “Boa noite a todos, quero primeiramente agradecer a Deus por estar aqui com vocês e também a juventude por essa iniciativa. Trabalho como professora e tratorista… eu aprendi dirigir trator ainda na minha infância, quando eu morava com os meus pais, e depois que eu me casei, eu cheguei a trabalhar bastante nessa profissão, cheguei a produzir bastante caju… inclusive acho que fui a maior produtora de caju de Campo Grande do Piauí, eu cheguei a distribuir caju para 5 estados e ainda distribuía para as fabricas locais, foi uma trajetória de mais de 12 anos de serviços que eu tive na agricultura, e isso são vestígios que a gente não pode deixar pra trás eu me orgulho muito por toda essa trajetória”.

A representante do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Eva Cymara Sá, disse que o papel da mulher é primordial em todas as organizações  e nos movimentos sindicais. “Boa noite a todos, o papel da mulher é primordial em todas as organizações  e nos movimentos sindicais, que sempre foi fundamental para a discussão e organização das mulheres na busca incessante por seus direitos, para que a sociedade reconheça a mulher como protagonista de uma luta árdua, que merece ser respeitada e valorizada em toda a sociedade, com todas as garantias e direitos fundamentais e sociais. Foi também através dos movimentos sindicais que as mulheres participaram de eventos públicos, cito a Macha das Margaridas, na capital federal, garantindo que fosse contemplada na constituição federal de 1988, a igualdade entre homens e mulheres”.

A presidente da Câmara Municipal de Vereadores, Jardânia Ramos Bezerra Sá, falou que apesar de todas as evoluções, a atuação da mulher na política não é fácil e ainda existe muita discriminação. “Boa noite a todos, quero primeiramente parabenizar o grupo do Nuca, vejo no olhar de cada um de vocês o futuro de Campo Grande, principalmente nas mulheres, sei que a vida da mulher na política não é fácil, a discriminação é muito grande, mas eu sempre digo uma coisa, quando você for encarar uma coisa que você deseja, não tenha medo, faça sua parte que o resultado vai aparecer e foi isso que aconteceu comigo, sempre tive vontade de fazer parte da política, não pensando em financeiro, porque política não é emprego, política é um ato social. Hoje eu posso dizer que fiz um pouquinho na minha cidade e pretendo fazer mais, sofri muitas discriminações e ainda sofro, não é fácil liderar um espaço desse, com tantos homens, a gente sabe da dificuldade que é para a mulher, sempre você tem que estar ao lado de homens, e a gente vê o preconceito ainda e o mais triste é quando vemos o preconceito por parte de mulheres”.

A professora e ex-vereadora Jeane da Silva Oliveira disse que a mulhe,r a cada dia, está conquistando seu espaço, mas que muitas mudanças ainda estão por vir.“ Boa noite, é com imenso prazer que estou aqui hoje, como o assunto é mulher, tem uma música que diz que a mulher é o sexo frágil, mas que ao mesmo tempo diz que é mentira, e de fato é uma mentira, claro que nós mulheres temos nossas fraquezas como ser humano, como o homem também tem, só que quando o assunto se trata da nosso posição na sociedade nós  vamos  à luta, nós somos guerreiras. Muitas mudanças ainda estão por vir, mas a cada dia nós estamos conquistando nosso espaço, apesar de termos uma sociedade um pouco machista… a partir da revolução industrial, aonde a mulher teve o seu espaço nas industrias, de lá pra cá isso só vem aumentando. Do ano do meu mandato, em 2009, até hoje, tivemos muitas mudanças nessa casa, até então não tivemos nenhuma mulher presidente e de lá pra cá já tivemos, como hoje é uma mulher”.

A graduanda em Medicina, Marciela Marinalva da Silva, disse que as mulheres estão a cada dia buscando o ensino superior e buscando métodos para a sua sobrevivência e independência. “Boa noite, essa questão da mulher ser a maioria da população acho que não seja fator gritante que faça que a gente busque a nossa independência, porque esse fato não influencia muito, porque até então, a gente só ocupa 42%  do mercado de trabalho, acredito que tem outros fatores que também influenciam, como hoje a gente compõe 60% das vagas de universidades publicas, essa nossa busca pelo ensino superior e também a nossa busca em especializações em outras áreas destinados a ensino superior nos torna mais capacitadas e nos encoraja a buscar métodos para a nossa sobrevivência e também tem outros fatores que são exemplos na nossa comunidade, como mostra essa mesa, é um exemplo fundamental que a gente tem de sobra aqui no município”.

Encerrando a Audiência a Mobilizadora de Jovens e Adolescentes, Maria Helena, agradeceu a todos pela presença. “Quero agradecer ao grupo do Nuca que foi quem realizou esse evento… nós estamos com mais de uma semana preparando esse momento e eles foram quem prepararam tudo, a gente fica orgulhosa por vocês serem tão capacitados. Também quero agradecer a Edilberto que desde a semana passada ele colaborou muito, quero agradecer a Zefinha que é o braço direito do Nuca, a Vanessa Silva, Secretaria de Cultura e a mesa de honra, dizer que vocês são fundamentais para o nosso município, quero agradecer as funcionárias da saúde e todos que vieram para o nosso evento”.

Confira mais imagens do evento:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *