Home / Notícias / Destaques / Grávida recebe vacina errada em posto de Teresina e saúde do bebê fica em risco

Grávida recebe vacina errada em posto de Teresina e saúde do bebê fica em risco


Uma gestante de oito meses acabou recebendo a vacina errada em um posto de saúde localizado no bairro Porto Alegre, Zona Sul de Teresina. A grávida teria se dirigido ao posto para tomar vacina contra a Influenza H1N1 e acabou recebendo vacina contra a Febre Amarela, que foi aplicada por uma estagiaria. Agora a gravidez é de risco, podendo até afetar a saúde do bebê.

Andréia Barbosa deu entrevista ao 180graus nesta terça-feira (15/05) e falou sobre o erro que ocorreu no dia 4 de maio, que está causando muita preocupação à família.

Andréia se dirigiu ao posto de saúde no período da manhã e ao entrar na sala, percebeu a presença de cinco estagiarias e uma pessoa que as orientava. Na sala também estava a responsável pelo posto de saúde, assinando os cartões de vacina.

DESCUIDO POR PARTE DA ESTAGIÁRIA
Segundo Andréia, uma moça se dirigiu até ela e simplesmente aplicou a vacina sem perguntar nada.

“Eu estava em pé, simplesmente uma moça se direcionou até mim e aplicou a vacina sem falar nada, e eu recebi a vacina, eu estava lá pra tomar contra a Influenza, entreguei o meu cartão de vacina, então estava lá para receber essa vacina, eu não havia percebido quando essa pessoa, eu acho ser orientadora delas, se alterou com ela dizendo, nossa você não pode fazer isso, aplicou sem perguntar nada, essa não era a vacina dela”, explica a gestante.

A partir desse momento, Andréia ficou preocupada, perguntou algumas vezes o que tinham aplicado nela, mas ninguém respondia, até que uma enfermeira explicou o erro que tinha acabado de acontecer, mas que mesmo recebendo a vacina errada, ela não correria riscos.

“Não se preocupa, foi a vacina da Febre Amarela, mas você só não poderia tomar no primeiro trimestre, mas como você já está no terceiro trimestre não tem problema”, disse a responsável pelo posto, segundo Andreia.

Após o ocorrido, a enfermeira retornou e aplicou a vacina correta, mas quando foi para assinar, Andréia conta que houve um certo receio por parte da responsável pelo posto, afirmando que não precisava.

“Aí eu virei pra responsável que estava sentada na mesa e falei: você coloca aqui para mim no cartão que eu tomei a vacina. Ela disse que não precisava, que já estava imune, mas eu falei que sim, eu sei que eu estava imune, mas vocês aplicaram, mas eu quero o registro no meu cartão que eu tomei a vacina de Febre Amarela. Elas ficaram se olhando e viraram uma para outra e disse: não, coloca aí só o número de lote e a data, não precisa assinar não. Ela colocou o número do lote da vacina da Febre Amarela que tinham me aplicado erroneamente e não assinou, relata a gestante.

GRAVIDEZ PASSA A SER DE RISCO PARA AMBOS
Andréia foi atendida por uma obstetra, que a princípio, informou que estava tudo bem, que não precisava se preocupar. Mas no dia 7 de maio a gestante passou por alguns exames onde foi informado que sua gravidez passaria a ser de risco.

“Chegando na segunda-feira em uma consulta, me falaram que a gestação é de risco, porque a vacina da Febre Amarela é feita com vírus vivo, atenuado, mas vivo, a sua imunidade está muito baixa por você estar gestante e a bebê não tem imunidade para reagir contra o vírus, eu vou te passar exames, vou te encaminhar para um infectologista para ele também te fazer exames para ver a possibilidade de tirar a sua neném antes do tempo, porque se apresentar algum risco, a gente vai ter que tirar ela”, disse Andréia.

Agora a gestação de Andréia será acompanhada de perto, semanalmente com alguns exames.

A sensação que a gente tem é de impunidade é uma frustração, de mãos atadas, porque você não tem a quem recorrer, você não sabe o que fazer, a minha vida se transformou

180graus foi até a Unidade Básica de Saúde Maria de Jesus Carvalho, localizada no bairro Porto Alegre e segundo a coordenação, a falha foi executada por uma acadêmica da Faculdade Maurício de Nassau, elas estariam sendo orientadas por uma preceptora enfermeira da instituição. O posto não tem acesso a lista de estagiários que segundo eles só pode ser enviado pela Fundação Municipal de Saúde.

Fonte: Portal 180 Graus

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *