Home / Notícias / Polícia / Polícia alerta para perigo de ataques de estelionatários a idosos

Polícia alerta para perigo de ataques de estelionatários a idosos


A média de estelionato contra idosos em Teresina, no ano passado, foi de 23 por mês, segundo dados da Delegacia do Idoso. Até o dia 31 deste mês, o Instituto de Previdência do Município de Teresina (IPMT) deverá pagar a 1ª parcela do 13° salário dos aposentados e pensionistas da capital. Um total de 4.868 servidores inativos serão beneficiados. Com isso, os cuidados com os idosos devem ser redobrados.

Segundo recomendações da Polícia Militar, as pessoas, principalmente idosos, devem evitar ir sozinhas sacar qualquer quantia. Além disso, não se deve aceitar a ajuda de estranhos e é preciso ficar atento à movimentação no interior dos instituições bancárias, alertando a segurança caso desconfiem do comportamento de alguém. Para quem estiver de carro, é recomendável não permanecer muito tempo parado após deixar a agência e entrar imediatamente no veículo.
Contas violadas

Outro golpe bastante comum contra os idosos é a violação de contas para recebimento de benefício do INSS. Nestes casos, não são os idosos que descuidam da segurança ao utilizar os serviços bancários, são os ladrões que conseguem “driblar” o sistema de segurança das agências.

Segundo informações da Delegacia do Idoso, em Teresina, até o início do mês de junho, 250 aposentados registram boletim de ocorrência após serem vítimas de golpes bancários. A delegada Daniela Barros explica que, geralmente, a vítima só consegue perceber o golpe quando tenta sacar o benefício e não encontra dinheiro na conta.

Ela acrescenta que os idosos são os principais alvos dos ladrões, porque o dinheiro do benefício deles cai em data certa e o cartão do beneficiário possui menos filtros de segurança, sendo mais fácil de coletar as informações.

Ainda segundo a Polícia, o mesmo modo de agir dos criminosos é conhecido: eles utilizam chupa-cabras, instalados um mês antes nos terminais de autoatendimento, para captar informações dos cartões das vítimas. Quando o dinheiro cai na conta dos beneficiários, o grupo retira o aparelho e confecciona tarjetas, onde são inseridos os dados roubados. Com as informações em mãos, eles realizam saques em outros estados para dificultar a investigação.

FONTE: Capital Teresina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *